Bolívia Chile Peru

Mochilão América Latina: Bolívia, Peru e Chile

Não foi difícil decidir fazer um mochilão América Latina. Eu não sabia exatamente o que eu queria fazer nas minhas férias de 2014, mas por algum motivo sabia que precisava ser algo importante, significativo e memorável. Não lembro ao certo o que eu estava procurando quando essa meta surgiu do nada e caiu no meu colo: Machu Picchu. E a busca foi mais além: Trilha Salkantay.

Brilhando muito em Machu Picchu. Foto: Aaron Kor.

Brilhando muito em Machu Picchu. Foto: Aaron Kor.

Comecei a pesquisar e as passagens aéreas estavam bem caras para as datas em que eu podia ir, então outra opção bem clara, e que depois começou a parecer muito mais interessante e definir todo o objetivo da viagem, me surgiu: 100% por terra.

Assim, defini que faria um Mochilão América Latina, mais especificamente pelos Andes. Isso nunca foi um grande sonho pra mim, sempre era uma daquelas coisas que “pô seria legal se pá”.

Mas aí entrou na roda toda a questão pessoal-emocional-espiritual que eu comecei a revirar em mim mesma em 2013, e desde o início eu soube que precisava fazer essa viagem. E precisava ir do jeito mais lento, difícil e recompensador: de ônibus. Também precisava passar um tempo na natureza (mais ou menos) selvagem.

E precisava fazer tudo isso sozinha.

Nem chamei ninguém. Eu quero me permitir ir ao máximo dos meus limites sociais e emocionais, sem depender de ninguém, sem usar ninguém como apoio moral ou “porto seguro”, sem fazer nada para agradar ninguém, sem deixar de fazer nada para não desagradar ninguém. Quero segurar sozinha, na marra, quaisquer barras que possam advir de lidar com esses limites.

Essa é a rota de mochilão mais batida do mundo, sei que vou fazer amigos até na fila da rodoviária e sei que se eu não quiser não preciso ficar sozinha nem um segundo.  O desafio, o que é difícil pra mim, é me abrir pra essas novas amizades, buscá-las proativamente. E esse é um dos pontos principais que pretendo desenvolver em mim com essa viagem.

Ir por terra também vai me obrigar a ser espontânea na viagem. Eu sempre quis viajar tomando decisões à medida que ia avançando. Ficar mais tempo em uma cidade de que estou gostando, mudar de itinerário se eu descobrir algum outro lugar bacana pra ir, etc. Só que eu nunca tive os colhões pra fazer isso, sempre fui super metódica e programei passagem e hospedagem com antecedência. Agora não vai ter jeito. Como nem sempre dá pra confiar nos horários e na disponibilidade dos ônibus, e as empresas não vendem passagens pela internet, não dá pra fixar nenhuma data certa, vou ter que organizar tudo na hora. E o mais difícil de tudo: não ficar ansiosa com isso!

Então estou indo com essas duas “filosofias” em mente: abertura e espontaneidade. Achei que esse mochilão América Latina estava mais com cara de viagem de autoconhecimento, de peregrinação, então tenho carinhosamente chamado a empreitada de mochigrinação. hehe 🙂

O roteiro do Mochilão América Latina

Pensei em um roteiro básico que cobrisse tudo o que eu queria ver, percorrendo o caminho da melhor forma logística possível. A ideia, porém, é estar aberta a todas as possibilidades, então esse roteiro ainda pode mudar, dependendo do que aparecer pelo caminho.

Roteiro do Mochilão América Latina

Contando o trecho percorrido no Brasil e a volta, são quase 10 mil quilômetros de chão

A princípio, devo partir de Ponta Grossa (PR) para Campo Grande (MS) e de lá para Corumbá (MS). Atravesso a fronteira com a Bolívia e pego o famigerado Trem da Morte até Santa Cruz de La Sierra. De lá parto para La Paz e depois Copacabana, onde vou pegar o barco para a Isla del Sol. A próxima parada já é no lado peruano do Lago Titicaca: Puno! Pego um trem para Cusco, que é uma cidade que me enche de expectativas. Depois de percorrer a Trilha Salkantay e chegar a Machu Picchu, o plano é ir para Arequipa e logo em seguida visitar o Canyon del Colca. Partiu para San Pedro de Atacama desbravar o Deserto do Atacama, e de lá passar uns dias rodando pelo Salar de Uyuni. Chegando em Uyuni, parto para Sucre e depois de volta a Santa Cruz de la Sierra para refazer o caminho para casa. Ufa!

Tudo isso deve levar no mínimo 40 dias, mas ainda quero ver o que a vida vai me trazer.

Acompanhe!

Vou relatar aqui todos os detalhes de como vai ser a minha experiência no mochilão América Latina, coisas que vivi e que senti. A internet está repleta de blogs e fóruns sobre o assunto com as dicas práticas sobre absolutamente tudo o que você precisa saber, mas o que realmente me encanta é ler os relatos das pessoas, e é isso que pretendo escrever e passar adiante, tentando passar pra vocês um pouco de como é passar por isso e estar lá.

Não pretendo levar computador, então estarei postando em “tempo real” na página do Travel Monster no Facebook pelo celular, e quando voltar conto tudo com mais calma e em mais detalhes por aqui. Também vai ter fotos a rodo no meu instagram. Procure pela tag #mochigrinacao se não quiser ver minhas selfies hehe.

Começa no dia 1º de junho 🙂

E aí? Como é que foi?

Eu gostaria de poder contar a história inteira cada vez que alguém me fizesse essa pergunta. Mas, já que não dá, vou contando em fascículos:

Leia também

30 Comentários

  • Responder
    jean
    16 de maio de 2014 às 00:26

    vou acompanhar tudo!!!!kkkkkkk

  • Responder
    Luísa Ferreira
    20 de maio de 2014 às 03:47

    Que viagem foda! 🙂 Com certeza vais ter muita história pra contar :)) Adorei as duas “filosofias”, venho tentando explorar isso também… Esperando pra saber sobre os preparativos! 😉 Beijo

  • Responder
    guilherme medeiros
    10 de junho de 2014 às 00:11

    tô acompanhando pelo facebook.
    você tem alguma previsão de quanto vai acabar custando a viagem?

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      22 de julho de 2014 às 20:12

      Oi Guilherme, tudo bem? Pode deixar que vou escrever um post sobre os custos da viagem, fique de olho 🙂

  • Responder
    Nathália
    3 de setembro de 2014 às 04:17

    Cara achei seu blog agora já estou me sentindo viajando com vc, irei fazer uma viagem final do ano acredito que com mesmo roteiro… Mas, pra fora do pais será mnha primeira viagem… como vc indica levar o dindim? é mha grande duvida..

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      3 de setembro de 2014 às 17:59

      Oi Nathália! Fico super feliz que você vai se aventurar por aí, e mais feliz ainda por você estar gostando dos relatos aqui do blog! Fique tranquila que vou fazer um post com todos os detalhes de como levar o dinheiro, e aí você vai preparadíssima!
      Bjos!

  • Responder
    Érica Roque
    17 de novembro de 2014 às 20:54

    Simplesmente foi um achado o seu blog, por todos os seus motivos listados penso fazer esse tipo de viagem, porém com algumas alterações, pretendo ir para Nazca e terminar na ilha de Páscoa !!! Por gentileza se ainda tiveres alguma planilha de gasto queria saber se você poderia me passar ? Pretendo viajar em 2015 mais provavelmente em junho !! Parabéns pelo blog

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      24 de novembro de 2014 às 16:35

      Oi Érica, tudo bem? Eu não cheguei a Nazca nem à Ilha de Páscoa, mas um dia ainda vou 🙂 Aí trocamos experiências!
      Os meus gastos na viagem estão bem detalhados neste post aqui: . Espero que ajude! 🙂
      Bjos!

  • Responder
    Emanoele
    25 de novembro de 2014 às 14:12

    Oi Maria Thereza!
    Eu já disse lá no fb e repito aqui: vou imprimir e encadernar esse guia. hahaha…
    Eu pensava que você já tinha concluído ele, estou muito curiosa quanto a volta. Vou seguir mais ou menos os seus passos até Cusco. Minha dúvida é só se subo para a Colômbia ou desço pelo Chile. Principal determinante: dinheiro!
    Aguardo novidades!

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      25 de novembro de 2014 às 15:33

      Oi Emanoele! Fica de olho que os relatos seguem até o final! Eu desci pelo Chile, mas minha questão era tempo. Se for pra Colômbia, me conta como foi porque quero muito ir!
      Abraços!

  • Responder
    Carlos Siqueira
    26 de novembro de 2014 às 20:17

    Olá, gostaria de tirar uma dúvida, seria possível fazer o mesmo roteiro em menos de 40 dias? Digamos, uns 20 dias?

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      29 de novembro de 2014 às 20:25

      Oi Carlos, tudo bem?
      Olha, possível até é, mas você vai aproveitar muito pouco e gastar muito mais, tendo que correr de uma cidade pra outra e andando de avião pra economizar no tempo de viagem.
      Sugiro selecionar poucos lugares e visitá-los com calma; e depois visitar o resto em outra oportunidade. 🙂 Acho que você vai curtir bem mais!

  • Responder
    Emerson Julio
    8 de janeiro de 2015 às 03:19

    Olá, Maria Thereza! Primeiramente obrigado por compartilhar suas experiencias (mesmo os piores momentos), é sem duvidas o blog mais instrutivo que encontrei.
    Eu e minha namorada queremos ir á Machi Picchu, percorrendo a trilha Salkantay (esse é o objetivo principal), com o menor orçamento possível, e levando não mais que 25 dias (Férias). Quanto acha q iremos gastar (por pessoa, mesmo com os valores q encontrou em 2014), sem extravagancias, só o básico. Tudo bem bem fazer o percurso com RG, ou só passaporte mesmo?Vai ser nossa primeira “Mochilada”, e estamos completamente perdidos!
    Obrigado!

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      8 de janeiro de 2015 às 16:27

      Oi Emerson, tudo bem?

      Sobre os valores, você pode ter uma ideia usando as informações do post . Quanto à documentação, só o RG já basta!

      Boa viagem 🙂

  • Responder
    Carlos Dante
    24 de maio de 2015 às 00:25

    Parabéns pelo seu relato. Estou querendo fazer um roteiro parecido e seu blog esta ajudando veio muito a calhar. Confesso que tenho algum receio quanto a Bolívia, por outros relatos que já li de pessoas que se aventuraram por lá. Você não teve problemas com notas falsas? Ou um tal ônibus de Sta. Cruz de la Sierra que deveria para no rodoviária de La Paz, mas parra num cemitério? Por favor, continue com os relatos do resto da viagem. É como se eu viajasse na leitura de seus post.

    T+

  • Responder
    Igor
    4 de outubro de 2015 às 22:48

    Fiz um roteiro parecido com o seu e mais ou menos na mesma época! Só não acabei de escrever tudo ainda… muito bom o seu blog ;p

  • Responder
    Laryssa Paiva
    4 de janeiro de 2016 às 15:19

    Olá Maria, td bem?
    Gostei muito dos relatos da sua viagem, muito bom para me orientar, gostaria de saber como foi sua volta, você fez o mesmo trajeto?
    Bjs ;*

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      7 de janeiro de 2016 às 09:36

      Oi Laryssa! O plano era fazer o mesmo trajeto, mas chegando em Santa Cruz um amigo que fiz lá me convenceu a ir pra Assunção, no Paraguai, e de lá peguei um ônibus direto pra Curitiba. Essa é mais uma história ótima que ainda estou devendo contar por aqui hehehe
      Beijos!

  • Responder
    Anna
    25 de março de 2016 às 19:20

    Maria, faltou você falar do Chile? (Ou será que eu que não achei o link aqui no blog?!)
    Estou aguardando ansiosamente pois não achei nenhum blog com relatos tão maravilhosos quanto os seus 🙂
    Não pare de escrever, os mochileiros agradecem haha
    Um beijo!

    • Responder
      Maria Thereza Moss
      28 de março de 2016 às 14:48

      Oi, Ana! Super obrigada pelo elogio 🙂 Faltou o Chile, sim, ainda não cheguei lá hehehe Fique de olho que logo logo sai 🙂 Beijos!

  • Responder
    Caroline
    3 de junho de 2016 às 10:56

    Oi, Maria! Amo seu blog desde o antigo, que achei quando estava me inscrevendo pro ICP, inclusive fiz um blog também pra contar sobre o processo seletivo e sobre a minha vida lá, caso passasse, mas não sou muito disciplinada, e acabei largando (a título de conhecimento, sim, passei, fui custodial e amei muito a experiência, inclusive quero voltar pro PG ano que vem). Eu pretendo voltar a escrever, e montar um blog contando sobre a Disney, e sobre minhas futuras viagens também. Me inspiro muito em você, amo o jeito que você escreve! Sério, não cansa e é diferente dos outros blogs.

    To aqui no aguardo de mais posts sobre o mochilão depois de Arequipa, esses que tem aqui já devorei! hahahaha
    Tenho uma dúvida com relação à trilha Salkantay… Durante esses 5 dias e 4 noites, como funciona o “banheiro”? hahahaha Não me refiro a parte do banho. @_@

    Beijos e continue escrevendo esses relatos lindos. <3

    • Responder
      Maria Thereza Moss
      15 de junho de 2016 às 17:39

      Oi, Carol!

      Que lindo saber que te inspirei tanto! Fico super feliz, mesmo!

      Os próximos posts da série vão sair, calma (:

      E quanto ao banheiro na Trilha Salkantay, por incrível que pareça, eu não precisei ir no mato quase nenhuma vez. Sempre nas vendinhas que tinha pela estrada tinha banheiro. Você pagava 1 ou 2 soles e podia usar. Mas tem que levar papel higiênico!

      Bjos e continue acompanhando!

  • Responder
    Raquel
    10 de agosto de 2016 às 23:30

    E sua passagem pelo Atacama e Salar de Uyuni? Não vi post.

    • Responder
      Maria Thereza Moss
      11 de agosto de 2016 às 15:45

      Ainda não escrevi! Mas rolou e foi incrível, fique no aguardo que vai sair 🙂

  • Responder
    Paulo Diniz
    9 de outubro de 2016 às 17:52

    Fala Maria, curti muito o Blog! Muito massa a sua viagem. Cai aqui de paraquedas e tava a uma semana quebrando a cabeça pra encaixar o roteiro, que por coincidência (Ou não haha) é muito parecido com o seu.
    Escuta, vc precisou fazer reserva antecipada da Salkantay ou chegou lá e contratou agência na hora? Outra coisa: Você já levou as roupas de frio do Brasil ou deixou pra comprar la ( por causa do peso da mochila)?

    Espero que responta
    VLWW =)

    • Responder
      Maria Thereza Moss
      30 de novembro de 2016 às 18:05

      Oi, Paulo! Eu reservei a trilha lá em Cusco mesmo, dois dias antes! As roupas de frio eu levei tudo daqui porque já tinha as coisas. Como estava frio na viagem toda, eu estava sempre com elas no corpo e a mochila não pesou nada hehehe. Então como nem procurei equipamentos lá, não sei te dizer se é negócio comprar lá ou levar daqui mesmo.

      Boa viagem 🙂

  • Responder
    Heron Lopes
    1 de dezembro de 2016 às 10:41

    Oi Maria…
    Eu e minha Esposa estamos planejando justo essa viagem e seu blog está ajudando MUITO! Valeu! 😉
    Será que em abril é bom ir pra lá?!
    pq nossas férias seriam perfeitas nesse período, mas se não for bom, já vamos nos reprogramar!
    valeu!

  • Responder
    Alice Caetano
    23 de janeiro de 2017 às 13:00

    Olá Maria,
    estou querendo fazer Cusco, Machu Pichu, Atacama e Salar Uyuni em 15 dias. Você acha possível?! Vi que você foi para muitos outros lugares, mas eu gostaria apenas de fazer esses principais.

    • Responder
      Maria Thereza Moss
      14 de fevereiro de 2017 às 14:37

      Oi, Alice! Se você for fazer só esses lugares, acho possível, sim. Só tome cuidado com as distâncias e o tempo que vai levar pra ir de um lugar pra outro. Atacama e Uyuni são bem próximos e dá pra fazer os dois em uns 8 dias. Mas Cusco fica bem longe e você vai gastar pelo menos 2 dias pra ir e outros 2 pra voltar de lá, se for de ônibus. Mais 1 dia pra Machu Picchu e sobram só 2 pra conhecer Cusco. Tente organizar seus pontos de partida/chegada pensando nisso. Beijos e boa viagem!

    Deixe um comentário