Destinos Itália

Itália Parte 3 – O Show do Ligabue

Bom, eu já expliquei do que se trata e qual é a importancia desse show aqui. Então vocês tão ligados que eu comprei o ingresso em junho, e ainda não na data que eu queria, porque já estava quase tudo esgotado. Mas no fim acabou sendo um dia bom pra ir, porque se tivesse ido no dia que eu queria, meu aniversário, teria passado meu aniversário com desconhecidos.

Assim, depois de ter matado tempo em Verona durante horas e ter até dormido na grama em um parque lá, voltei pra Arena pra tentar retirar meu ingresso, porque tinha comprado pela internet. Achei que o stand do TicketOne abria às 19, mesma hora da abertura dos portões, o que era super estranho, mas acabou que eu cheguei na Arena às 17:30 e já estava aberto. Me emocionei por um instante tendo o ingresso na mão e depois liguei pros meus novos amigos italianos. Logo eles chegaram e ficamos esperando os portões abrirem.

Os portões abriram e entramos na frente de todo mundo, eles com a napolitanità, eu com o jeitinho brasileiro. Na entrada estavam distribuindo um folheto sobre o show e velinhas pro público acender e dar o clima da iluminação da platéia. Ali a emoção era mais por estar entrando na Arena em si do que pelo show. O negócio foi construído no século I e ainda tá lá de pé, e, como se não bastasse, ainda aguenta o tranco de shows e óperas todo ano. Dois mil anos atrás nego vinha ver leão comer gente ali onde eu estava sentada, tem noção?

Achamos um lugar bom, o Rosario (na Itália é nome de homem) queria sentar diretamente em frente ao palco, mas ali só tinha lugar na última arquibancada, daí ficamos meio na diagonal mesmo, só que bem mais perto. Ainda estava longe, porque pra chegar mais perto, no chão da Arena mesmo, tinha que ter reservado uma poltrona, e era tipo 200 euros. Mas mesmo assim tínhamos uma visão perfeita, em nenhum momento eu não consegui enxergar o palco, e imagino que cada pessoa naquela Arena tivesse uma visão perfeita. Maravilhas da antiguidade greco-romana.

Já instalados, ainda faltava uma hora e meia pro show começar, isso se não atrasasse. Tiramos fotos e acompanhamos a galera: ola gigantesca, nos coros de “lu-tchá-no! lu-tchá-no!” e cantorias, a Arena todinha cantando o “o-o-o-o” de Urlando Contro il Cielo. Eu ouvia os álbuns live dele e vibrava com a galera cantando isso, agora ali estava eu, cantando também! E a geral estava mil vezes mais divertida que as poltronas. A gente vibrava, olhava pra baixo e o pessoal da poltrona tava sentado batucando os dedos esperando começar. Palha. Muito mais legal na geral.

Um pouco antes das 21, a orquestra começou a entrar. Às 21 em ponto as luzes se apagaram, as velinhas começaram a se acender, e o Liga entrou na Arena.

O Rosario me chacoalhava e gritava haha, também era a primeira vez deles num show do Liga. A orquestra dava novos arranjos pras músicas, elas ficavam completamente diferentes e incrivelmente lindas. Pra já cair matando, ele começou com Leggero, passou pra L’Amore Conta e depois pra Piccola Stella. Em Leggero eu já tava chorando, em L’Amore Conta eu desabei, ainda mais depois dos recentes acontecimentos, me atingiu fundo. Eu cantava, berrava, soluçava, cantava mais um pouco, tudo abraçada com 5 italianos que tinha conhecido no mesmo dia. É a música unindo as pessoas. Tudo isso fora Piccola Stella, minha preferida dele, sendo totalmente adaptada pela orquestra; eu já tinha até me recuperado, mas no solo em pizzicato recaí e chorei de novo.

Mais pro meio do show veio Non È Tempo Per Noi, e mais choro. O telão mostrava várias personalidades que quiseram “mudar o mundo”, Gandhi, Madre Teresa etc. Acho que chorei mais do que no começo. Falando assim parece que foi só música triste, mas não foi não. Algumas músicas eram sem a orquestra, só a banda, puro roquenrou. Deu pra pular e dançar muito, até porque tinha espaço pra isso. Eu só ficava com medo de cair da arquibancada, mas ok.

No final ele tocou Buona Notte All’Italia e o telão passava fotos de italianos célebres/mortos. A cada um que aparecia a galera aplaudia mais, e eu boiando total, só conhecia o Pavarotti. Outra coisa cultural muito engraçada foi quando ele tocou Hai un Momento, Dio?. Primeiro que ele cantou a música toda olhando pro céu; segundo que tem uma parte da música que ele pergunta “perché?” muito enfaticamente. Nessa parte eu ergui os ombros e abri as mãos, no típico gesto brasileiro de dúvida. TODOS os italianos juntaram os dedos e chacoalharam a mão, sabe tipo Matteo da novela falando “ma cheeee???” Ri muito.

Primeira vez que vou num show dessa magnitude, super produção mesmo. Primeira vez que vou num show em que sei cantar todas as músicas e sou tiete. Amei. Ser parte daquela platéia que eu sempre ouvia nas gravações live valeu cada perrengue, desde comer salame por quatro dias até dormir na estação. Se ele for pra Paris no verão eu vou de novo!

Acabado o show, os italianos ofereceram um lugar pra eu dormir no quarto que eles tinham reservado. Quase não acreditei que o plano A tinha funcionado! Voltamos pro hotel e eles tentaram me fazer entrar clandestinamente, mas o dono viu, falou que o quarto era só pra 5 pessoas e que, se eu quisesse ficar, ia ter que pegar outro quarto. Pelo jeito a napolitanità não é tão infalível quanto o jeitinho brasileiro. Acabou que o plano A quaaaase deu certo! Já era tarde demais para tentar um plano B ou procurar algum albergue pra eu dormir, além de que eu não queria pagar mesmo. O jeito era ir dormir na estação, com as dicas do Sleeping in Airports na cabeça.

Mas isso é história para a Parte 4. Essa história de separar em partes tá atrasando as notícias de Lyon, mas já já entra nos eixos.

Quer saber o resto da história? Tá na mão!

Itália Parte 1 – A ida e Milão

Itália Parte 2 – Verona e o Espírito Viajante

Itália Parte 3 – O Show do Ligabue

Itália Parte 4 – Dormindo na estação e a volta para Milão

Itália Parte 5 (Final) – O Couch Surfing e o Saldo Final da Viagem

Leia também

3 Comentários

  • Responder
    Ricardo
    10 de outubro de 2009 às 21:59

    A emoção de vê-los na Itália deve ter sido indescritível. Que bom que deu certo =D

  • Responder
    Dulcidio
    3 de dezembro de 2009 às 02:33

    Oi!
    Poxa…me ausentei por algum tempo e veja so quantas surpresas!
    Porem, devo puxar sua orelha por ter vindo aqui e nao ter nem me chamado para tomar um café!!

  • Responder
    Pictolírica » Blog Archive » Relatório de intercambio
    4 de julho de 2010 às 17:17

    […] Vi o melhor show da minha vida. […]

  • Deixe um comentário