Dicas de viagem

Ficar linda no mochilão: a gente precisa de menos do que pensa

Mochilão implica nisso mesmo que você está pensando: levar a vida toda numa mochila por um certo período de tempo. E mochila implica em levar peso nas costas, o que não é bom nem pra suas lindas costas nem pra sua linda paciência. O negócio é levar o mínimo de peso possível, mas como escolher o que levar?

Vou contar aqui a experiência pessoal da minha mochila e do meu mochilão. Fui e voltei e fiquei bem feliz mesmo com minhas escolhas. Não levei nenhum peso morto, nada que ficou sem uso, senti falta de pouquíssima coisa, e me senti bonita e apresentável o tempo todo. Posso falar apenas da minha experiência, mas espero poder ajudar a todas com algumas das táticas que usei.

As dicas aqui são voltadas principalmente pras mina, mas ozamigo também podem aproveitar 🙂

O recipiente

40 litros de lindeza

40 litros de lindeza

Comprei essa mochila no ano passado, uma Quechua Forclaz 40l, custa R$199 na Decathlon. Usei em viagens curtas pelo menos duas vezes por mês no último ano e ela aguentou com maestria o tranco da Mochigrinação. Abre na frente e em cima, tem bolsos enormes dos lados, um bolsinho na barrigueira (imprescindível!) e várias regulagens pra encaixar perfeito no corpinho. Recomendo pra qualquer um por ser um ótimo custo/benefício.

Agora, o tamanho da mochila vai depender do seu corpo. Sou pequena e não gosto de carregar muito peso, então considero 40 litros o ideal para mim. Quem precisa levar mais equipamentos e pode carregar mais peso pode usar de 60 ou 70 litros. Geral ficava chocado com o tamanho da minha mochila, todo mundo tava levando uns monstros de 60 litros. Mas o importante é não ir além da sua capacidade e escolher um modelo que se ajuste bem ao seu corpo, com barrigueira para carregar o peso no quadril e não machucar os ombros. A Cris Marques, do blog Dentro do Mochilão, dá as dicas pra escolher a mochila certa pra você.

Levei também uma mochila de ataque de 20 litros, simplesinha, para deixar o mochilão no albergue e usar durante os passeios carregando tudo o que fosse importante: carteira, máquina fotográfica, água, lanchinhos, casaquinho, protetor solar etc.

As roupas

Tenho algumas técnicas pra manter a minha mochila o mais leve possível. A primeira é levar roupa para uma semana. A maioria dos albergues tem algum tipo de serviço de lavanderia e é baratinho, então jamais valerá a pena levar mais roupa do que você precisa. Cinco camisetas, um jeans, duas leggings, um shorts e roupas de baixo foi o que eu levei. Não preciso falar que é bom levar roupas de tecidos que não amassem né?

A segunda é escolher as roupas de forma que todas elas combinem entre si. Isso é para que você consiga montar looks diferentes com as mesmas roupas e não precise levar várias pra ficar bem vestida. Só levei camiseta preta, branca, bege e cinza. Com jeans não tem erro. Com legging preta não tem erro.

Roupas que combinem entre si: até um fleece ROSA funciona com um jeans basicão e blusas neutras. E olha o lenço aí :D

Roupas que combinam entre si: até um fleece ROSA funciona com um jeans basicão e blusas neutras. Observe o lenço.

Eu sempre levo também um ou dois lenços, que podem dar uma mudada no look pra você não enjoar, e são peças pequenas que não ocupam espaço. Uma canga aqui também é bem legal porque serve pra tudo, desde lenço no pescoço até saia, e dá até pra sentar em cima, veja só!

Podia ser só uma roupa inteira preta, mas tinha um lenço lindão pra fazer uma graça e ainda me deixar quentinha no frio do Altiplano boliviano (:

Podia ser só uma roupa inteira preta, mas tinha um lenço lindão pra fazer uma graça e ainda me deixar quentinha no frio do Altiplano boliviano (:

Pra sair à noite, levei UM top mais legalzinho, levinho e que não amassa, pra usar com o mesmo jeans de todo dia, mas dá pra levar até um vestido leve que não amasse. Só um look de noite é o suficiente, ninguém vai reparar que você tá repetindo aquele top preto, até porque você dificilmente verá as mesmas pessoas em dias diferentes.

Para o frio, levei uma calça e uma blusa térmicas para usar por baixo de tudo, dois casacos fleece e uma jaqueta corta-vento impermeável. Esse esquema de camadas é o ideal para você não levar peso a mais só porque está frio. O corta-vento, quando dobrado, fica super pequeno e leve pra guardar na mochila, ao contrário de um casacão luxuosíssimo que ocupa uma mala inteira sozinho. As roupas térmicas, pra usar como primeira camada, são fininhas e possuem uma tecnologia que mantém o calor do corpo mas te deixa respirar, sendo perfeitas pra você ficar bem quentinha sem virar o bonequinho da Michelin de tantas camadas.

Além de tudo isso, escolhi desapegar também dos acessórios. Curto muito um enfeitinho, então escolhi peças que fossem práticas e versáteis, de materiais resistentes à umidade para que eu não precise tirar nunca, nem pra tomar banho. Brincos pequenos (três em cada orelha), uma correntinha curta no pescoço, um anel, e pulseirinhas de courinho e outras pulseirinhas de hippie que comprei em várias paradas por lá. Tudo isso só pra dar um brilhinho sem precisar carregar um monte de bijus diferentes pra cada ocasião.

Os sapatos

Um tênis para caminhadas e um chinelo de borracha pra descansar e tomar banho em chuveiros suspeitos é tudo o que você precisa. Além disso eu levei uma sapatilha basiquinha para sair à noite ou dar um rolê mais curto, mas acabei usando bem menos do que eu planejava. Era frio demais pra sair à noite sem um sapato fechado, então só usei mesmo nos poucos lugares em que estava calor. Podia ter passado sem.

Como fiz a trilha Salkantay, em vez de tênis fui com uma bota impermeável para caminhada. Por restrições de espaço, só dava pra levar um sapato fechado. Vou confessar pra vocês que eu penei pra achar uma bota que fosse boa pra trilha porém bonita pra usar na cidade, e a Timberland Flume foi a que escolhi. Nunca precisei de um calçado desse tipo antes, então comprei especificamente para o mochilão. Usei bastante na cidade antes de ir, para amaciar, e no fim as botas acabaram sendo minhas melhores amigas na viagem toda.

Não dava pra tirar do pé, nem pra sentar na beira do Lago Titicaca

Não tirava do pé nem pra sentar na beira do Lago Titicaca

Uma coisa de que eu senti falta foi uma papete. Sim, papete, aquela sandália abominável. Principalmente durante a trilha, tem horas que você não aguenta mais o pé dentro da bota, mas também não pode colocar uma Havaianas pra andar porque ela não prende no pé nem protege os dedinhos. Nos acampamentos, à noite, tudo o que eu queria era tirar o pé da bota, mas estava frio demais pra usar Havaianas, e a papete seria perfeita para usar com duas meias grossas e quentinhas, bem gringona mesmo. Recomendo.

A necessaire

Essa é uma das partes mais difíceis e pesadas da mala, e onde precisei fazer mais sacrifícios. Aqui é preciso ser crítica e avaliar o que é absolutamente necessário para você.

Para higiene em geral, levei uma escova de dentes desmontável para viagem (tem pra comprar em farmácias e supermercados) e um tubo de pasta de dentes que estava pela metade; um desodorante roll-on (a embalagem é menor!); um pacote pequeno de lencinhos umedecidos de bebê para os dias em que não tem banho disponível (sim, eles acontecem!); um rolo de papel higiênico (apenas indispensável); e um potinho pequeno de álcool gel.

Para o cabelo, levei só um shampoo, sem condicionador, porque achei que seria desnecessário e também não queria carregar dois potes, mas senti falta. Talvez um bom shampoo 2 em 1 fosse uma boa solução. Como a viagem seria longa, levei um pote de shampoo pela metade que eu já tinha em casa, mas se eu fosse ficar menos tempo, colocaria tudo dentro de um potinho pequeno de 100ml, vendido em farmácias e supermercados.

Para pentear, levei uma daquelas escovinhas retráteis com espelhinho, além de um ou dois elastiquinhos e grampinhos pra quando eu quisesse prender. Os lenços, que mencionei ali atrás, também servem pra enfeitar o cabelo.

Secador e chapinha simplesmente não te pertencem, pode esquecer que essas geringonças existem. Deixe o cabelo secar ao natural e continue sendo linda 🙂

Para a pele, em vez de creme pro dia, creme pra noite, creme pro rosto, creme pro corpo, creme pra mão, creme pro pé etc. etc., optei por levar apenas um hidratante e um protetor solar fps 50 (frascos pequenos).

O hidratante foi completamente inútil no meu mochilão porque é TÃO frio e TÃO seco no altiplano que um hidratante normal e cheirosinho não deu conta de manter minha pele hidratada. Só o que resolveu a secura foi Hipoglós, que eu só levei porque minha mãe insistiu muito (valeu, mãe!). Eu passava uma camada fina pra proteger e à noite, antes de dormir, tacava-lhe pau no Hipoglós e fazia aquela máscara branca. Quando acordava estava com a pele de nenê de novo. Eu poderia muito bem ter deixado o hidratante em casa e economizado esse espacinho na mala. Mas aí vai do seu roteiro, estude bem as condições climáticas do lugar para onde você vai.

O protetor solar no rosto foi essencial todos os dias, e também usei nos ombros em alguns dias em que fez um calorzinho e deu pra andar de camiseta. Levar um torrão é um desconforto bem desnecessário, sem contar que fica feio.

Não esqueça o protetor solar todos os dias

Não esqueça o protetor solar todos os dias para não ficar com cara de guaxinim

Ah, e se você for pro mato, não pode esquecer também o repelente.

Maquiagem, olha, em grande parte considero desnecessário. Eu tava quebrando a cabeça pensando no que ia levar, até ouvir aquela voz interna me dizendo “fia, você vai andar no meio do mato e do deserto, ninguém vai reparar se você estiver sem primer nem iluminador nem sombra nem sobrancelha pintadinha”. Um rímel e um batom vermelho foi tudo o que eu levei para ficar com uma cara um pouquinho diferente quando fosse sair à noite. Se não dá pra viver sem base, é legal levar um BB cream, que é levinho e já tem função de primer e protetor solar embutido, assim você só leva um produto.

Eu levei também um protetor labial hidratante com cor, porque lá era muito frio e muito seco e não dava pra viver sem. O fato de ele ter uma corzinha dava um toque a mais na minha cara no dia a dia. Recomendo muitíssimo o Chubby Stick, da Clinique; usei o meu até acabar.

Para as unhas, levei apenas uma lixa, e optei por levar uma tesourinha de unha em vez de cortador de unha, já que a tesourinha serve para vários outros usos. Esmalte já não dura nem uma semana em condições normais de vida, numa viagem, então, não dura nada, e eu é que não ia levar acetona, esmaltes, alicate, algodão e tudo o mais para fazer uma manicure completa no meio da trip. Meu objetivo era sempre ter unhas limpas e bem aparadas, não precisa de esmalte pra unha ficar bonita.

Remédios e outros apetrechos

Não dá pra ir sem sua farmacinha e os remédios que você costuma usar. Antialérgico prazamiga riniteira, anticoncepcional (calcule quantas cartelinhas você vai precisar), relaxante muscular pras trilheiras, paracetamol etc. Na Bolívia e no Peru dá pra comprar qualquer tarja preta na farmácia sem receita e baratinho, então não precisa se preocupar tanto com as coisas mais básicas (aspirina etc.), mas não esqueça remédios de uso contínuo, e tome cuidado se você for alérgica a alguma substância.

Pra economizar espaço com eletrônicos, selecione bem o que realmente será usado. Eu optei por não levar laptop, usava apenas o smartphone pra me conectar e ouvir música e foi o suficiente. Meu amado Kobo levou os livros que li, só que com um tamanho diminuto e peso menor ainda. Um e-reader não é super imprescindível, mas nossa, foi uma mão na roda. Se você gosta de foto, não tem muito o que fazer, leve a câmera e todo o equipamento, aceite esse “fardo” e seja feliz!

Um saco de dormir, para o tipo de viagem que eu fiz, foi indispensável. Além de ser uma coberta a mais quando o quarto do albergue era frio, também servia de cobertinha quando os ônibus eram gelados, além de servir de lençol em albergues suspeitos.

No último minuto, decidi por levar também uma almofadinha de viagem, daquelas em formato de ferradura. Achei que ia ser um saco carregar aquilo e não usar nunca, mas usei absolutamente todos os dias nas camas dos albergues, e ela tornou minhas viagens intermináveis em ônibus muito mais confortáveis. Recomendo.

No geral

As coisas de que você realmente precisa em um mochilão são uma escolha muito pessoal, mas é preciso muito bom senso para não cair na armadilha do “quem sabe posso precisar”. Uma dica boa e bem conhecida pra reduzir espaço na mala é escolher tudo o que você quer levar, e depois reduzir pela metade. Funciona porque naquela primeira peneirada você não pensa de forma tão crítica sobre o que você realmente precisa. Quando você se obriga a reduzir a carga, fica mais fácil.

Lembre-se de que você vai estar carregando todo esse peso nas costas sozinha e isso pode causar dores e um desconforto completamente desnecessário que pode transformar sua viagem numa bad trip. Apenas lembre-se sempre de que você já é linda e não precisa de um milhão de produtos nem um milhão de looks pra ficar linda no mochilão. Desapegue e seja feliz 🙂

Que história é essa de mochigrinação?

Em junho e julho de 2014 fiz um mochilão passando por Bolívia, Peru e Chile. Fui sozinha e sempre por terra, que era pra mor de passar mais tempo comigo mesma praticando duas coisas que estavam fazendo falta na minha vida: a espontaneidade e a abertura. Leia o post introdutório da série para mais detalhes sobre a idéia inicial e o roteiro, ou acompanhe todos os posts pela tag mochigrinação.

Leia também

61 Comentários

  • Responder
    Thaís Towersey
    12 de agosto de 2014 às 16:36

    Nossa, amei Maria Thereza!
    É tão difícil achar um post nesse estilo voltado diretamente pra meninas. Nos também gostamos de aventura, né?

    Beijao 🙂

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      12 de agosto de 2014 às 22:30

      Sim, eu tive dificuldade em achar dicas pras meninas antes de viajar! Espero poder ajudar alguém com esse post 🙂

      Beijos!!

  • Responder
    Larissa
    13 de agosto de 2014 às 20:25

    Arrasou, fia! Sempre invejei suas malinhas de viagens curtas, agora então virei fã e to fazendo reverência. Vou salvar o post pra dar uma lidinha sempre que precisar <3

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      14 de agosto de 2014 às 17:52

      Brigada, queri! Agora já sabe os trucão de ir pro seven só com mochilinha escolar hihi

  • Responder
    Patricia
    23 de janeiro de 2015 às 19:06

    Nossa, adorei! Nunca encontrei dicas para meninas e ainda tenho o problema de ser uma menina cacheada… ai ja viu….rsrsrs

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      27 de janeiro de 2015 às 01:18

      Eita, Patricia, passa as dicas pras amigue cacheada economizarem na quantidade de produtos! Minhas amigas sempre me pedem e eu não sei ajudar! Beijos!

  • Responder
    Cybele Moura
    25 de janeiro de 2015 às 23:49

    Sensacional, me tirou váaaarias dúvidas! Tenho uma mochila de 34L já e queria usá-la para meu mochilão de 30 dias. Seguindo suas dicas acredito que será suficiente ou tu indicas uma maior?
    Bjs

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      27 de janeiro de 2015 às 01:11

      Oi Cybele, tudo bem?
      É suficiente pra 30 dias, sim, pode ir na fé 🙂
      Beijos!

  • Responder
    Sil
    9 de fevereiro de 2015 às 14:16

    Massa suas dicas, se pudesse ia hoje e nâo voltaria nunca mais… hehe
    Achei legal a dica do seguro, se voce sobreviver ao primeiro mes acho que sobrevivera o resto da trilha, mas vale a pena o seguro, eu tenho um seguro mas nao sei se cobre viagem, vou checar isso.
    Uma coisa que não achei em seus relatos (ou comi bola), você poderia falar um pouco sobre o saco de dormir? Estou em vias de comprar um e sem muitos parametros, viajo dia primeiro de abril, sem pressa para voltar. 🙂
    Um abraço

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      9 de fevereiro de 2015 às 15:54

      Oi Sil, tudo bem? Que bom que você tá curtindo as dicas! Quanto ao saco de dormir, eu fui com um da Trilhas & Rumos. Ele é ótimo, mas aguenta uma temperatura mínima de 6 graus, e confesso que isso não foi suficiente pra dormir no mato em junho a 3000 m.a.n.m. Fui com ele porque era o que eu já tinha mesmo, mas se eu fosse comprar um novo, compraria um de uma categoria que aguentasse mais frio. Mas isso é uma questão da categoria ser adequada ou não às condições em que vc pretende usar. Uso sempre esse mesmo saco de dormir pra outros acampamentos aqui no BR e sou apaixonada, ele é super confortável 🙂 Minha recomendação é: não economize. Esse é um equipamento que você vai usar em várias ocasiões e é legal que seja quente, resistente e confortável. Vai nas lojas especializadas em camping e aventura e experimenta vários, pede ajuda pros vendedores, que você acha um bem bacana.
      Abraços e boa viagem!

  • Responder
    Stheffany
    20 de março de 2015 às 16:28

    Nunca fiz um mochilão mas claro que pretendo muito fazer um dia, e com certeza suas dicas me foram bastante úteis. O segredo mesmo é ter bom senso e sabedoria nas escolhas, analisar bem o ambiente, clima e estação do lugar para onde vai. Obrigada por disponibilizar essas dicas!

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      20 de março de 2015 às 19:35

      De nada, Stheffany! Tenho certeza que seu mochilão vai ser sensacional! Abraços!

  • Responder
    Marcela
    20 de março de 2015 às 21:03

    Olá Maria Thereza, tudo bem?
    Menina, adorei essa mochila! E adorei mais ainda a foto que vc colocou, porque pelo site da Decathlon é muito difícil ter noção do tamanho que vai ficar no corpo. Vc poderia me dizer se ela tem algum bolso/ compartimento interno que caberia um notebook?
    Obrigada e parabéns pelos relatos!

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      16 de abril de 2015 às 17:03

      Oi Marcela! Ela não tem bolso interno pra notebook. Sugiro levar o seu dentro de uma case mesmo 🙂 Beijos!

  • Responder
    Moalima
    3 de junho de 2015 às 17:21

    Muito legal e muito útil o post. Pretendo levar somente o necessário no meu primeiro mochilão (clássico Chile/Peru). Porém, por ser no inverno, com temperaturas nunca antes experimentadas, dá um medo danado de esquecer alguma coisa útil, mas também não quero levar peso à mais nas costas. Obrigada pelas dicas.

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      9 de junho de 2015 às 14:02

      Oi, Moalima! Fica tranquila, com essa listinha aí não tem o que dar errado 🙂

  • Responder
    Luane
    18 de junho de 2015 às 11:47

    Nossa, adorei o post!
    já tenho uma forclaz 40l também e não sabia se seria suficiente pra 14 dias sozinha no Peru. Como sou bem pequena (1,50m) nem poderia levar muito peso mas nos relatos que li, todos levam mochilas com volume médio de 50/60l. Bom saber que você conseguiu, fico mais tranquila agora 🙂

  • Responder
    Cris Marques
    25 de junho de 2015 às 01:57

    Adorei o post e o título! Realmente precisamos de muito menos que imaginamos.

    Agradeço também pela citação do Dentro do Mochilão!

    Beijo Grande!

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      25 de junho de 2015 às 13:20

      Obrigada, Cris! Não podia deixar de citar um blog que me ajudou horrores 🙂

      Beijos!

  • Responder
    Vivian
    13 de julho de 2015 às 00:36

    Adorei!!! Mto obrigada! Dicas extremamente úteis!!!

    Acho q adaptando p/ o meu caso teria q/ ser de 50l pq pretendo viajar por uns 6 meses, levar barraca (1,7k) e laptop. Sou baixinha e magrinha, tenho medo de ficar pesado. Acha que rola?

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      13 de julho de 2015 às 10:17

      Oi Vivian! Pra onde vc vai? No seu caso tem que ser uma mochila maior sim. Eu não levei barraca nem laptop e minha mochila ficou estourando. Melhor levar uma de 50 a 60 litros. Vai ficar pesado sim, mas aí vc tem que ver uma mochila boa que prenda no seu corpo de modo a aliviar um pouco o peso. O ideal é o peso ficar distribuído no quadril e ombros, não só nos ombros. Sugiro você ir em uma loja especializada, conversar com o vendedor, experimentar vários modelos. E não economize. Uma mochila boa de verdade vai sair caro, mas pense nisso como um investimento. Você precisa de uma coisa de qualidade pra aguentar o tranco, você não vai querer carregar uma mochila pesada desconfortável e mal ajustada durante 6 meses. Um beijo e boa viagem!

      • Responder
        Vivian
        13 de julho de 2015 às 19:22

        Oi!!! Vou pra Europa mas não planejo pegar muito frio, rsrsrs. Roteiro baseado no clima pra não ter que carregar roupa de inverno. E se a grana der vou dar um pulo na Asia. *.*

        Valeu pelas dicas!!! Com certeza investir numa mochila boa! To de olho na Quechua Easyfit 50l ou 60l, que se adapta ao corpo feminino. 🙂

        A ideia é sempre visando menor gasto possível na viagem. Pelas minhas pesquisas vale a pena investir numa barraca. Dá pra acampar de graça em alguns lugares e existem mtos campings espalhados pela Europa e px de pontos turísticos. Pra quem estiver interessada/o recomendo http://nossoguiadecampings.blogspot.com.br/ que é de um casal brasileiro <3

        Vai demorar, mas quando eu resolver esse dilema eu volto pra contar como ficou!

        • Responder
          Maria Thereza M.A.
          14 de julho de 2015 às 10:11

          Que massa! Eu tenho uma amiga que fez isso de viajar pela Europa ficando em camping! Ainda mais se você não pretende pegar frio, vale a pena sim! As mochilas da Quechua são um ótimo custo-benefício, só tenho o que falar bem da minha 🙂 Volta pra contar sim! Beijos!

  • Responder
    Vivian
    14 de julho de 2015 às 15:38

    Aaaaaa!!! Nao me conta uma coisa dessas! Essa sua amiga tem um blog? Se não for pedir muito me passa o email dela, ou passa meu email pra ela XD

    Se alguém que estiver lendo tiver dicas de camping pela Europa/Asia: viviene.cost@gmail.com 🙂

  • Responder
    Karenina Borba
    16 de julho de 2015 às 17:53

    Valeu Maria! Estou fazendo o mesmo mochilão pela américa do sul, e tava numa dúvida de levar jeans ou não (pq no frio, ele congela) e a qtd de blusas já que há várias camadas…valeu pelas dicas!

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      17 de julho de 2015 às 16:18

      Leva jeans, sim! Quebra um galhão! Não fica tão frio assim a ponto de congelar 🙂 Beijos e boa viagem!

  • Responder
    Tania
    3 de agosto de 2015 às 21:37

    Adorei o post, me ajudou a pensar e “peneirar” minha mochila!!
    Mas ainda tá difícil arrumar minha mala porque vou fazer toda América do Sul, e pegar todos os tipos de clima, mas vou conseguir desapegar! =)
    Realmente, não precisamos de muito para continuar lindas, a beleza pura vem de dentro! obrigada, bjo

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      18 de agosto de 2015 às 22:21

      Isso mesmo, Tania! Você vai ver que vai estar tão feliz que vai sair linda com o olho brilhando em todas as fotos, sem precisar de produção nenhuma. Até hoje eu uso a técnica de pensar na viagem quando vou sair em foto, funciona hehehe

  • Responder
    Évelin
    13 de agosto de 2015 às 20:38

    Menina!!!! Adorei seu blog. Estou pesquisando muita coisa para a minha viagem para a Bolívia e Colômbia no mês que vem e achei dicas valiosíssimas por aqui. Por enquanto só li este post e um outro sobre custos e como levar dinheiro. Já vou salvar o link do seu blog pra continuar auxiliando nas minhas pesquisas. Muiiiiiiito obrigada!!!!!
    Eu pensei MUIIIIITO e acabei decidindo não levar um mochilão. Vou levar uma mala de rodinhas e uma mochila de ataque porque eu acho que será mais “cômodo”… vamos acompanhar!

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      18 de agosto de 2015 às 22:27

      Que bom que você tá gostando, Évelin! A escolha da mochila é bem pessoal, vai do que encaixa melhor pra você. Um amigo que conheci no mochilão só andava com mala de rodinha e tava tranquilasso!

  • Responder
    Luciano Ramires Jr.
    20 de setembro de 2015 às 17:13

    Maria Thereza, ótimo post! Tenho uma mochila igual a sua, já viajei com ela várias vezes e também recomendo! Só uma dúvida: o que tem naquele saco sobre a mochila? Saco de dormir..?

    • Responder
      Maria Thereza M.A.
      23 de setembro de 2015 às 17:07

      Isso, Luciano! Prendi meu saco de dormir naqueles elásticos externos! Usei bastante 🙂

  • Responder
    Viviane
    18 de fevereiro de 2016 às 23:30

    Menina, tô amando seu blog! Nem sei quando vou viajar, mas adoooro publicações do tipo, principalmente as bem pessoais, como as suas. Parabéns, e continue escrevendo, porque vou continuar lendo! Rs… Abraço.

  • Responder
    Ruti
    16 de março de 2016 às 21:15

    Oiii, adorei esse post e queria uma opinião sua, será que você pode me ajudar?

    Em outubro saio para um mochilão de um ano heh Mas tenho essa mega dúvida, sou pequena também, 1,58 mt e não aguento muuuito peso não, então eu queria levar mesmo uma mochila de 40 ou no máximo 50 Litros, você acha muito ousado levar uma de 40 como você?

    Pois a ideia é levar mesmo peças práticas para uma semana e assim vai lavando durante a viagem e se ficar velhinha compra nova heh Porém mesmo assim, fico na dúvida.

    Agradeço se puder me dar uma opinião.

    • Responder
      Maria Thereza Moss
      17 de março de 2016 às 11:30

      Oi, Ruti! Eu apoio totalmente a sua ideia! 50 litros seria melhor por ser uma viagem mais longa, mas o seu plano de ir lavando é o ideal, sim. Dificilmente você não vai comprar coisas durante 1 ano inteiro, mas o bom de ter mochila pequena é que você segura e só compra em caso de última necessidade!
      Beijos e boa viagem!

  • Responder
    KARLA ANGÉLICA
    17 de março de 2016 às 15:33

    Maria Thereza, amei as dicas! Estou algumas coisas faz tempo, vou viajar por 20 dias em outubro. Vou ao Peru, Bolivia e Chile. Com relação ao saco para dormir, é necessário mesmo? Vi uns bastante caros pra usar apenas 20 dias. E estava fazendo planos de ficar em hostel. O que vc acha?

    • Responder
      Maria Thereza Moss
      23 de março de 2016 às 17:09

      Oi, Karla! Se você só pretende ficar em hostel, não precisa não. Eu usei em várias ocasiões mais roots: Trilha Salkantay, Isla del Sol, e no hotel de sal no Salar de Uyuni. Se você não pretende fazer nada disso, não precisa saco de dormir 🙂 E se chegar na hora e der vontade, várias agências alugam. Mas eu nunca aluguei, então não sei se é limpinho, barato etc.
      Beijos!

  • Responder
    Marina
    17 de abril de 2016 às 20:36

    Como coube??? Não to conseguindo!!!
    Não levou toalha?
    Estou refazendo a minha pela 489089 vez…….

    • Responder
      Maria Thereza Moss
      18 de abril de 2016 às 20:56

      Marina!!!! Calma que cabe tudo! Faz a mala com as coisas que vc quer levar, aí espalha tudo em cima da cama e tira metade. Tira com gosto. Você não vai precisar. Minha toalha é daquelas de microfibra que fica pequenininha, super vale a pena!

  • Responder
    Leilane
    21 de abril de 2016 às 19:44

    Adorei! Tbm sou mochileira e sozinha e estou me preparando pra mais uma viagem. Seus posts são úteis demais, brigadao!

  • Responder
    MAIARA RAMOS
    9 de junho de 2016 às 16:50

    Maria Thereza, adorei o seu blog!! Vou sair para o meu mochilão no dia 11/07 , vou passar por quase os mesmos lugares que você passou em 2014 e vou sair Telêmaco Borba – Paraná (Sim, é a capital do papel). E faltando um mês para a grande aventura surgiram várias dúvidas alimentadas pela ansiedade! hahaha Primeiro queria saber qual máquina utilizou para tirar suas fotos, pois não to afim de levar uma semiprofissional por conta do espaço. E segundo, como vou na mesma época em que você foi gostaria de saber assim por cima como funcionava suas camadas de roupa, porque apesar de ser aqui do interior do Paraná eu detesto frio e corro grande risco de morrer congelada no meio do Salar. hahaha Beijo :*

    • Responder
      Maria Thereza Moss
      15 de junho de 2016 às 17:43

      Oi, Maiara, tudo bem?

      Que massa que você vai mochilar!! As minhas fotos eu fiz com uma Sony NEX-5N que amo de paixão! Ela realmente tomava bastante espaço na minha mochila de ataque, mas valeu a pena, as fotos ficaram maravilhosas.

      E quanto às camadas, fiz como está escrito aqui no post mesmo (: Pensa no que você usa pra ficar quentinha no inverno mais frio aqui do PR, e leva pelo menos 1 camada a mais pra garantir hehe. Não deixe de levar calças e blusas térmicas, fizeram toda a diferença pra mim.

      Beijos e boa viagem! Aproveite muuuito!

  • Responder
    Tati
    2 de julho de 2016 às 02:41

    Oi! Vc chegou a pesar pra saber qts kilos ficou sua cargueira?
    Obrigada pelas dicas. Bjs

    • Responder
      Maria Thereza Moss
      3 de julho de 2016 às 12:19

      Poxa, Tati, ótima pergunta! Sabe que não pesei, não? Agora tô curiosa! Mas era um peso suportável nas costas. Desculpa não poder ajudar, e boa sorte na sua programação!

  • Responder
    Juliana
    16 de agosto de 2016 às 23:19

    Olá Maria Thereza!
    Gostaria de saber qual o modelo oe casaco impermeável que você levou! Achei ele bem bacana! Estou procurando um nesse estilo.
    Adorei as dicas do blog. Bjuh

    • Responder
      Maria Thereza Moss
      23 de agosto de 2016 às 13:45

      Oi, Juliana! O casaco é da The North Face, acho que é Resolve o modelo. Ele fica lindão no corpo, acinturado, super bonito! Recomendo 😀

      Beijos!

  • Responder
    Fabiana Pessoa
    30 de agosto de 2016 às 08:56

    Maria, bom dia. Descobri seu blog fazendo umas pesquisas ontem. Estou pensando em passar uns 10 dias no Atacama. Se possível, queria tirar dúvidas sobre a mochila que você está usando. Você despacha ela ou vai como mala de mão? Tem como fechar com cadeado? Teria como você fazer um post do tipo ‘fazendo a mochila’? Mostrar ela vazia, etc. Esse rolinho na parte de cima é um colchonete? Já vem com a mochila? Nunca nem abri uma mochila dessa e fiquei na dúvida pois acho inconveniente levar mala de rodinha pro atacama (risos).

    Amei seu casaco, vi que você informou ser da The North Face, sabes o modelo?

    • Responder
      Maria Thereza Moss
      13 de setembro de 2016 às 21:31

      Oi, Fabiana! A mochila geralmente não cabe como mala de mão, eu sempre despacho. Se a sua mochila só tiver zíper (sem ser aquelas de cordinha), dá pra fechar com cadeado sim. Tem muitos blogs por aí que ensinam a fazer a mochila, dá uma pesquisadinha 🙂 O rolinho é um saco de dormir, e você compra separado. O casaco é o modelo Resolve 🙂 Realmente rodinha no Atacama fica bem inviável, lá é tudo chão de terra, inclusive no vilarejo de San Pedro. Boa viagem 🙂

      • Responder
        Fabiana Pessoa
        1 de novembro de 2016 às 12:16

        Maria Thereza, obrigada pelo retorno. Amei sua mochila, mas não encontrei mais esse modelo forclaz 40, acabei comprando uma parecida forclaz 50. Queria tirar mais uma dúvida quanto a jaqueta Resolve da TNF, seu tamanho é M? Ela esquenta ou só protege da chuva?

        • Responder
          Maria Thereza Moss
          30 de novembro de 2016 às 18:09

          Oi, Fabiana! Eu comprei o tamanho M sim, fica um pouco justinha mas cabe bem todas as camadas de blusas hahaha Ela não esquenta, você tem que usar uma blusa de um material mais quentinho por baixo. É importante uma última camada tipo essa jaqueta porque ela corta o vento e você sofre bem menos hehehe
          Bjos!

  • Responder
    Renata Santos Ferreira
    12 de setembro de 2016 às 15:43

    Demais!
    Estou indo passar 8 dias na Jamaica e uma dúvida cruel entre mala e mochila…

    Na verdade seria a minha primeira mochila, pois sempre viajo com malas de rodinha… (A lokaaa rs).
    Mas achei o seu blog e acho que vou quebrar o paradigma da mala rs.

    Obrigada!

    • Responder
      Maria Thereza Moss
      13 de setembro de 2016 às 21:28

      Oi, Renata! Eu sempre prefiro mochila, é muito prático! Experimenta e vê se você gosta 🙂 Boa viagem!

  • Responder
    Lidiane
    27 de setembro de 2016 às 11:48

    Você pode me passar o link que comprou? Eu nao consigo localizar esse modelo, queria uma igual a sua. Achei ela perfeita pro meu tamanho e por eu tambem não curtir muito peso.

    • Responder
      Maria Thereza Moss
      30 de novembro de 2016 às 18:03

      Oi, Lidiane, acho que ela está fora de linha mesmo, também não encontrei. Recomendo pesquisar, visitar lojas, experimentar a mochila no corpo. Não tem jeito melhor de escolher a mochila perfeita pra você! 🙂 Beijos e boa viagem!

  • Responder
    Andréia
    30 de outubro de 2016 às 13:04

    Adorei as suas dicas! Eu estou planejando viajar por um mês no Japão, durante o inverno e estava insegura com o que levar numa mochila e vc me ajudou muito! Beijos! Obrigada!

  • Responder
    Mirella
    2 de março de 2017 às 11:01

    Oiiii, Melhor blog que encontrei! Ameii as divas! A sua jaqueta Resolve é tamanho M? Posso saber sua altura e peso? Quero comprar uma e quero ter uma noção de tamanho! ?

    • Responder
      Maria Thereza Moss
      13 de março de 2017 às 13:53

      Oi, Mirella! A minha é tamanho P na verdade, e tudo que eu uso é M. Ela fica bem justinha em mim, mas ainda dá pra usar com blusas por baixo. Ou seja, acho que o tamanho é um pouco maior mesmo. Espero que ajude 🙂

    Deixe um comentário